Menu

Spicer4Kidz: a Saga de uma Criação Animada

Pra mim participar do Spicer4Kidz foi muito mais que um trabalho.
Muito mais que um prazer. Muito mais que um desafio.

Sim, porque foi um trabalho: um trabalho extenso, complexo, agitado, dinâmico e algo estressante que foi pago de forma justa. E foi um prazer: trabalhar com amigos queridos numa ideia bacana e inovadora, que se propunha a transformar um assunto árido e fascinante como o funcionamento do diferencial em conteúdo voltado para o public infantil. E também foi um desafio: trabalhar à distância com uma equipe de animação indiana, comunicandose numa língua comum não native (o inglês) e encontrandose virtualmente em reuniões via Skype em horários pra lá de absurdos por causa da diferença de fuso entre Brasília e Chennai, na Índia.

Participar do Spicer4Kidz foi muito mais do que isso. Foi o reencontro querido e saudoso após anos e anos de separação com o trabalho que fala ao meu coração mais que qualquer outro na vida: o trabalho de animação.

Só isso já me torna pra lá de agradecido.

Desde o momento em que criei duas sinopses diferentes com personagens e motes diferentes, enviei pro Luís Pedro e ele me ligou um dia do carro berrando “do c******!!!” em meus ouvidos, meu coração disparou quando o projeto estava oficialmente lançado.

Escolhida a sinopse vencedora, a primeira fase foi a criação visual dos personagens, pale tes de cor, moodboards e definição do estilo da animação. Em seguid a vieram os storyboards (que deram um trabalho enorme), feitos em cima do roteiro desenvolvido pelo Douglas Cavalari, o cara que sabia explicar como esse tal de diferencial funciona.

Storyboards na mão, começamos a buscar quem nos ajudaria a tirar toda aquela vida do papel. Fomos achar na Índia a Dreams, estúdio de animação acostumado a trabalhar alémmar. E foi nessa hora que a saga realmente começou: a partir de um documento chamado Little Bible, que reune todas as principais informações criativas do filme.

Tive que lembrar como se dirige um filme (o último filme de animação que havia dirigido é de 1986), como pensar movimento, ação, expressão e, pra complicar um pouco, explicar tudo isso em inglês pra equipe indiana. Foram muitas idas e vindas, muitas mudanças, dificuldades e limitações com as quais tivemos que aprender a conviver. Quando penso nisso lembro sempre da genial capa de “Asterix e Cleópatra”, que enumera todo o material gasto na produção daquela maravilhosa história em quadrinhos. Foram centenas de desenhos, uploads e downloads de arquivos de vídeo, esquemas gráficos, color schemes, pesquisa de referência, desenhos de personagens extras como o elefante e o coelho e muito mais.

Depois veio o trabalho de criação vocal, briefing para trilha sonora, produção das guias de áudio em inglês mais estapafúrdias de todos os tempos mas que foram essenciais pra produção de animação, gravação de vozes, criação e produção de animação adicional e edição. Horas e horas de muuuuita edição 🙂

E então, exatamente dois anos depois do início dessa saga, temos um filme de animação muito fofo e divertido, cheio de momentos bacanas, que consegue apresentar e ensinar como funciona um produto complexo e importante e transformar tudo isso numa Aventura divertida e bastante simpática. Uma empreitada longa e dificil que não teria vingado não fosse a tenacidade e suporte do Luis Pedro, que acreditou na coisa desde antes do seu início e da dedicação com que a equipe sensacional que juntamos encarou o projeto.

Fazer parte de tudo isso com todas as pessoas que ajudaram a tornar esse projeto em realidade foi um dos momentos mais emocionantes da minha vida. Mais que emocionante: foi uma grande honra. Assino meu nome embaixo em conjunto com meus colegas e amigos como um dos seus pais orgulhosos. Spicer4Kidz, 4Ever.

Sylvio Pinheiro

Spicer4Kidz Audio Adventures

Se há uma palavra que mais define meu envolvimento com o projeto do Spicer4Kidz essa palavra é diversão!!

Diversão que se junta com o fato de que os partícipes são amigos de longa data e, assim, a amizade se soma e torna tudo ainda mais divertido o que significa dizer prazeroso.

Fazendo o Spicer4Kidz pude exercer, além de música — atividade que me é particularmente cara ao criar — elaborar e coordenar a equipe que produziu boa parte da gama que compõe o áudio de um filme que são os efeitos, foleys e ambiências sonoras bem como a edição e tratamento das vozes dos personagens. Fazer com que essa material prima toda realize e entregue para o espectador, além de aspectos emocionais, histórias e movimentos que não estão sendo mostrados em tela é sempre um grande barato.
Claro que devido às realidades de verba e condições brasileiras, o processo de trabalhar com uma equipe de áudio pequena para a empreitada um produto de animação com características de produção de cinema de média metragem foi bastante trabalhoso e, por vezes, tenso — mas sempre acompanhado e compensado pelo prazer. Foi particularmente prazeroso:

  • Dar boas risadas com o meu big brother Sylvio Pinheiro durante a realização das guias de áudio e desenvolvermos a caracterização vocal de todos os personagens todos (com o Sylvio carregando o piano) para viabilizar a empreitada da equipe indiana de animação.
  • Dar novas boas risadas e “brigas” (constantes) com o Sylvio para fazermos o Spicer e o Teddy para a versão em português, bem como trazermos para o estúdio o queridíssimo Zé Vicente para fazer as vozes do Guarda e do Motorista de Ônibus e o não menos querido Hugo Leal para fazer a voz do Limbacher, uma das homenagens criadas pelo Luis Pedro.
  • Fazer um Teddy com uma ligeira pegada “TED” como bem o disse o “Maestro” Luís Pedro, o “doido” que resolveu levar a cabo um projeto tão difícil de se desenvolver dentro de uma corporação.
  • Editar e adequar — apesar da ultra trabalheira que deu — à realidade de sincronia necessária ao filme a voz da Valentina, bem como constatar o talento e a impressionante maturidade precoce da Virgínia. Ouvir nos arquivos enviados para edição os bastidores de pai e filha fazendo a gravação foi também uma diversão a mais.
  • Fazer o áudio dos trailers que, por sua característica, exigiram um desenvolvimento eminentemente musical.
  • Trabalhar a trilha sonora com o Manga, querido irmãozinho cuja intimidade me permite sugerir ideias complexas e ter um bom entendimento do que estou querendo.
  • Trabalhar com o Flávio Bernardes e com o Rodrigo Trevisan dentro da Big Bang. O Flávio me auxiliando na parte de montagem dos foleys, ambiências e efeitos sonoros e o Rodrigo me ajudando na mixagens finais e a torear os bugs (nossa e quantos!!) que inevitavelmente aparecem quando se integra um conjunto tão grande de execução MIDI, áudios e tratamento sonoro, dentro de um projeto que, por sua vez, está dentro de um único programa de áudio multiprodução — o Logic Áudio, única alternativa viável com equipe pequena — para cumprir as necessidades de um filme de animação como esse.

Claro que as palavras acima são só um resumo resumido (… ☺) da aventura de vários dias produzindo o áudio para o Spicer4Kidz.
E em resumo amigos… Valeu!!

A. Marcelo Galbetti